Máfia Digital: entenda a denúncia do colunista Léo Dias

Máfia Digital entenda a denúncia do colunista Léo Dias
loja-virtual

No último domingo, o colunista do Metrópoles Léo Dias, denunciou a chamada Máfia Digital (ou Milícia Digital), um cartel. Segundo o colunista, o grupo domina as redes sociais e pode cobrar até R$ 200 mil para divulgação. 

Mas qual é o problema com tudo isso? 

Segundo Léo Dias, os usuários com maior poder aquisitivo podem contratar um grupo de Instagrams (conhecido como Banca Digital) que possuem o poder de derrubar ou aumentar a popularidade de um perfil. 

O problema é que esses perfis da Banca Digital ao invés de ser um perfil de notícias, acabam se tornando um perfil de publicidade. Isso sem os seguidores saberem que a pessoa pagou para aparecer no feed daquele portal. Incluindo, as fakes news

Além disso, para Léo Dias essa prática é ilegal. Pois os donos desses perfis não são formados em jornalismo e atuam na rede social como um portal de notícias. Quando, na verdade, quem pagar mais, aparece mais. 

Por que o termo Milícia Digital (ou Máfia Digital)?

Segundo Léo Dias, na sua entrevista com a Polly Oliveira no canal do Metrópoles, ele usou o termo milícia digital porque a palavra “milícia” se resume a pessoas que se passam pelo papel do Estado e estipulam regras em determinados bairros. 

“As pessoas donas dessas páginas não são jornalistas, não tiveram formação para isso, exercem papel de jornalista e ainda cobram por matérias. Coisa que nenhum jornalista pode fazer, só quando é informe publicitário e mesmo assim precisa ser devidamente notificado”, afirmou Léo Dias. 

Qual é a denúncia do Léo Dias sobre a Máfia Digital?

Segundo a publicação na coluna do Léo Dias, se você reparar que um mesmo artista está sendo divulgado muitas vezes numa mesma página, desconfie.

Por exemplo, gravadoras que precisam bombar lançamentos de músicas também costumam pedir essa “ajudinha” às páginas. Dessa forma, fazem parecer apenas uma notícia relevante, e não uma publicidade paga por trás dos panos. 

“Vale ressaltar que o trabalho de divulgação das gravadoras é importante, no entanto, a enxurrada de notícias ou informações banais só estão ali porque foram pagas”, afirma Léo Dias na sua coluna no Metrópoles.

Dinheiro por visualizações e engajamento

A principal denúncia do colunista é que dependendo da página de fofoca no Instagram que o famoso fecha a “parceria”, ele poderá alcançar um aumento estrondoso de seguidores na rede social. 

Por exemplo, quem paga R$ 20 mil pode atingir cerca de 28 milhões de seguidores. Pagando R$ 30 mil, poderá alcançar 60 milhões e assim por diante. 

Além disso, uma fonte enviou um print para o Léo Dias de uma conversa que teve com um representante da página Tricotei, em que pede um orçamento para divulgação de material. Veja o conteúdo da mensagem:

máfia digital: Dinheiro por visualizações e engajamento
Print retirado da coluna do Léo Dias

A venda de perfis bombados

De acordo com o colunista, Léo Dias, outra modalidade da Máfia Digital é a venda de perfis bombados. 

Ou seja, a pessoa pode comprar um perfil já com vários seguidores sem fazer nenhum esforço. 

O outro lado da denúncia

Após a grande repercussão da denúncia da máfia digital, alguns perfis e celebridades começaram a dar o seu posicionamento sobre o assunto. 

A Banca Digital, no seu perfil no Instagram, soltou uma nota de esclarecimento sobre o assunto:

mafia-digital-banca-digital
Print do Instagram Banca Digital

A Gossip do Dia afirmou que não participam de nenhuma máfia:

Gossip do Dia - mafia - digital
Print Coluna Leo Dias

Já o perfil SubCelebrities que suas notícias são tratadas de forma profissional:

SubCebreties Mafia Digital
Print Coluna Leo Dias

Até o momento da publicação deste artigo os demais perfis que fazem parte da Banca Digital não deram nenhum pronunciamento sobre o assunto.

Felipe Neto pede ajuda a seguidores

Além disso, após a denúncia sobre a Máfia Digital, Felipe Neto fez um vídeo pedindo para o dono do perfil Alfinetei mostrar a cara.

No seu Instagram, o influenciador também pediu ajuda aos seus seguidores para comprovar que as páginas de fofoca da chamada Banca Digital cobram para falar bem e falar mal dos famosos.

Felipe Neto Instagram
Print Coluna Leo Dias

Usuário do Instagram afirma que cobraram R$ 35 mil para não cancelarem

Léo Dias conta na sua coluna que depois da sua denúncia começou a receber várias denúncias. 

Em uma dessas denúncias, a pessoa afirmou que para não ser cancelado no Instagram por conta de um comentário que foi mal visto na web, recebeu a proposta de pagar R$ 35 mil para que as páginas parassem de repercutir o assunto.

“Meus advogados me aconselharam a não pagar e que isso caracterizava extorsão”, disse o usuário.

Polly Oliveira conversa com Léo Digas sobre a máfia digital

Além disso, Léo Dias entrevistou a influenciadora Polly Oliveira sobre a máfia digital. Ela já havia abordado sobre o assunto no seu Instagram. 

Na entrevista, a influenciadora levantou polêmicas sobre o algoritmo do Instagram e afirmou que já pagou para aparecer nas notícias de Instagram de fofoca. 

Veja a entrevista completa:

Como crescer no Instagram

É importante ressaltar que existem várias maneiras de crescer no Instagram sem utilizar meios ilícitos. Aqui no blog já te mostrei estratégias comprovadas que funcionam de maneira orgânica. 

Aliás, se você tiver condições de investir em propaganda, o ideal é utilizar os anúncios do Instagram.

Além disso, o Instagram está lançando gradualmente três novas maneiras de influenciadores e criadores de conteúdo ganharem dinheiro na plataforma

Enfim, diante disso tudo, eu quero saber de você: qual a sua opinião sobre o assunto? Me conte nos comentários!